quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Ovos recheados com atum

Ontem estava a apanhar a roupa do estendal, quando o nosso gato Kiko veio saltitando alegremente e se enroscou carinhosamente nas minhas pernas. Fez-lhe uma festinha e pensei aqui está o resultado vivo do nunca se perder a esperança e da vontade de se viver. Eu passo a explicar mas 1º vou apresentar-vos os nossos 2 gatos, ambos rafeiros, mas dos quais muito gostamos; O nosso gatarão Tareco de pêlo luzidio preto é bem gordinho pois é muito guloso, nunca está completamente saciado. É muito mimalho! Agora está meio desaparecido pois anda á caça de namoradas, o maroto! E o Kiko, um gatinho com cerca de 6 meses. É do tipo siamês, muito lindo e meiguinho tem o pêlo fofo e macio, é muito bricalhão e activo mas nem sempre foi assim. A minha Tita L (a minha 2ª mãe) um dia chegou a casa e disse que a gata da minha prima P (uma gata vadia que ela gentilmente adoptou) tinha tido gatinhos. Se podia trazer um. Como temos muito espaço disse que sim. Passados poucos dias trouxe não um mas 2 gatinhos. Eram muito lindos mas um pouco selvagens. Como estavam assustados por causa do nosso cão Rex colocamo-los debaixo das escadas exteriores pois tem uma portinha, estariam em segurança. No dia seguinte fui renovar a água e a comida e entreabri a porta para que pudessem entrar e sair. Só que, á noite, ao chegar a casa notei que algo de estranho estava a acontecer. O pequeno siamês miava desesperadamente do interior das escadas. Parece estranho mas era isso mesmo. É que as escadas do que estou a falar são grandes e em pedra. Já podem imaginar o resto… Entrei debaixo das escadas e chamei pelo gatinho. Nada. O seu irmão olhava para mim sem entender nada. Chegaram os filhotes e o marido tentaram encontra-lo e nada. O meu marido disse: «vais ver que quando tiver fome saí». A noite passou e nada. O miar esse continuava dia e noite, cada vez mais triste. Nem conseguia dormir só de pensar no bichinho. No dia seguinte a comida continuava intacta e nem vestígios do gatinho. Mais um dia passou e nada. Chamávamos e o miar intensificava-se mas apenas isso. Comecei a desesperar. Que fazer?! Fomos falar com o meu pai que disse que viria ver o que podia fazer. O dia parecia não querer passar. Aquele miar triste e cada vez mais fraco não me saía da cabeça. Quando finalmente cheguei a casa foi de imediato ver o que se tinha passado. Com as escadas todas esburacadas e com um aspecto que a guerra tinha passado por ali, vi num dos buraquinhos pouco maior que um punho com alguns vestígios de pêlo. Tinha entrado mas nunca seria capaz de sair dali! Corri para o coberto e lá estava ele. Acolheu-me com um miar tão alegre e correu para mim com tanta meiguice que devo confessar que me vieram ás lágrimas aos olhos. Pobre bichinho. Reparei que o meu pai já lhe tinha dado comida e agua. O seu irmão alguns dias depois apareceu morto sem nenhuma razão aparente :( Mas o nosso Kiko, o pequeno herói sobreviveu pela sua vontade de viver e de nunca ter perdido a esperança. Hoje temos uma grande adoração por ele. As escadas entretanto foram consertadas e nem se nota que ali foi o palco duma grande luta pela sobrevivência. Só por isso o Kiko ontem teve dose reforçada de miminhos. Até me esqueci que estava ali para apanhar a roupa do estendal hihihhii
Hoje vou deixar-vos a receita duma entrada ou refeição leve, bem simples. Ovos recheados de atum:
Photobucket

Photobucket

Verifiquemos se temos tudo:
- 1 ovo cozido por pessoa;
- ½ lata de atum por pessoa;
- 1 colher de sobremesa de maionese por ovo;
- Salsa picada a gosto;
- Cebola picadinha (não ponho pois não gostamos de cebola crua);
- pimenta, sal (pouco), tomilho;


Cortar os ovos na horizontal e retirar a gema. Colocar as gemas num pratinho e esmagar com um garfo. Escorrer bem a gordura do atum e esfarela-lo. Acrescentar ás gemas com a maionese. Mexer bem e acrescentar a salsa e a cebola se gostarem. Temperar a gosto. Encher as claras com este preparo. Polvilhar com salsa e enfeitar com maionese. Servir acompanhado duma bela salada. Miammmm muito bom ;)
Photobucket
Vai uma trinca?
Photobucket


Apreciação: é uma entrada ou refeição leve fácil de ser feita e deliciosa. Os ingredientes são simples e estão presentes em quase todas as cozinhas. Porque esperam para experimentar. Vão ver o quanto é difícil só comer uma parte :)

Fonte: a minha mãe faz estes ovos desde que me lembre

6 comentários:

Anónimo disse...

Tão simples e tão bonita, até abre o apetite! Que pena não gostarem de cebola crua.É um anti-cancerígeno natural, assim como o alho, que elimina os radicais livres que provocam o envelhecimento.Ah, adorei a galinha!Bjs. Bombom

COZINHAR COM OS ANJOS disse...

Amei a história do gatinho,é só mimo,que ovos deliciosos.Bem Nanda essa galinha é demais...beijinhos doces

Lucia disse...

Gostei de tudo do post!... principalmente da receitinha!

bjcas

Carla disse...

Que história linda, ainda bem que o Kiko vos encontrou, está numa família maravilhosa!

A receita é óptima como sempre, muito apetitosa!!

bjs

: vanocas disse...

Que engraçado conheço essa receitas, mas sem a maionese.
Apenas passamos os ovos depois de recheados com o atum, por ovo mexido(cru) e por pão ralado, e levas a fritar em óleo, tens que experimentar.
Fica delicioso
Beijos
Vanocas

: vanocas disse...

Que engraçado conheço essa receitas, mas sem a maionese.
Apenas passamos os ovos depois de recheados com o atum, por ovo mexido(cru) e por pão ralado, e levas a fritar em óleo, tens que experimentar.
Fica delicioso
Beijos
Vanocas